Você é protagonista ou coadjuvante?

Na história de sua vida, você é coadjuvante ou protagonista? Quem toma as decisões em sua vida: você, seus familiares, seu chefe, o governo? Quem decide sua história?

Talvez você esteja pensando: claro que sou eu quem decido minha vida? Será? Para saber isso, basta responder a mais uma questão: Nas mãos de quem está o seu futuro?

Quando olhamos para os comportamentos e resultados de uma pessoa podemos imaginar se ela é ou não detentora do controle de sua vida. Algumas pessoas levam a vida, enquanto outras são levadas por ela. Em que categoria você se encaixa? Se você for protagonista terá respondido que faz parte da categoria dos que levam a vida, ou seja, criam circunstâncias, situações, oportunidades, ou as condições de temperatura e pressão necessários à criação do futuro desejado.

Talvez em sua cabeça esteja passando a seguinte pergunta: o que se ganha sendo protagonista da minha vida? A resposta é: muitos benefícios, como liberdade de escolha para ser o que deseja, libertação de medos que paralisam e da síndrome de Gabriela (eu nasci assim, vou morrer assim), coragem para sair da zona de conforto. Em resumo: ganha o controle da própria vida para vivê-la com plenitude e realização.

Algumas vezes se é protagonista em uma determinada área da vida e, em outras, deixa-se a desejar. Se isso não lhe trouxer sofrimento, angústias, sensação de vazio, tudo bem. No entanto, o que se observa comumente, como características de uma pessoa que não exerce o protagonismo em sua vida, é a tendência a demonstrar ter a sensação de menos valia, a vitimizar-se e a culpar os outros pelos seus fracassos, pois não assume a responsabilidade por suas escolhas e por seus atos e até mesmo pelos seus sucessos, pois não se percebe detentora do direito de decidir, agir, reagir, criar e celebrar. Geralmente deixa-se ser levada pela vida em vez de levar a vida para onde se deseja e sonha.

Exercer o protagonismo talvez não seja fácil, afinal, não gostamos de ter desafiadas as nossas crenças. Algumas nos cercam desde a mais tenra idade, vieram como um legado de nossos relacionamentos mais próximos e outras surgiram das experiências que vivemos até hoje.

No momento em que escolher ser protagonista, é possível que alguns desafios se apresentem. Será necessário fazer escolhas, sair da zona de segurança, dizer não, entrar em ação, afastar-se de pessoas que bloqueiam seu desenvolvimento. Porém, lhe garanto: vale muito a pena pagar esse preço.

Ser protagonista é simples, basta você decidir ser o autor e ator da sua história e assumir a responsabilidade por isso, buscando autoconhecimento, comportamentos, habilidades, meios, pessoas e circunstâncias para alcançar seus objetivos.

Como fazer isso? Primeiro você tem que ter clareza do estilo de vida que deseja, em seguida deverá tomar decisões e fazer escolhas, aí deve assumir a responsabilidade por todo o processo necessário ao alcance da vida que escolheu. E, por fim, colocar a mão na massa, entrar em ação para executar cada passo indispensável à obtenção de seus objetivos.

Então, o que você está esperando para ser o protagonista e escolher conscientemente os roteiros, as cores e os atos da história da sua vida? Decida logo, pois se você não o fizer, alguém fará por você.

  • Sandra Suely de Jesus Bastos é Coach e Facilitadora de Treinamentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *