Dinheiro, um maneira de realizar sonhos

Vários são os fatores que podem estimular as pessoas a algum tipo de movimento. Normalmente fatores associados ao lazer e ao bem-estar são mais prazerosos e tendemos a realizá-los com maior facilidade. Porém, ser um profissional bem-sucedido também gera um estímulo positivo, principalmente se estiver dedicando-se ao que se gosta.

Em algumas culturas o fato de ter ou acumular riquezas não é visto com maus olhos, mas sim como a recompensa pelo trabalho e esforço dedicado a uma função ou tarefa, da mesma maneira que em outras culturas o fato de se ter dinheiro gera certo desconforto e constrangimento.

Diz um ditado popular que “de grão em grão a galinha enche o papo”, pois o bolso também se enche assim, de várias pequenas quantias e a cada economia realizada, a não ser, é claro, que se ganhe na loteria.

Um professor contou uma história sobre o encontro dele com um amigo, que fez uma observação sobre o carro que ele estava dirigindo. O amigo disse o seguinte: – Que carrão, tu estás rico? O professor disse ao amigo: – Rico não estou, mas tenho trabalhado muito e consegui juntar dinheiro para comprar o carro dos meus sonhos.

Algumas pessoas diriam “que nada, esse carro é usado, comprei de segunda mão, nem vale tanto”, diminuindo o produto de seu esforço, demonstrando constrangimento por ter alcançado, com seus méritos, um bem de valor.

Os sonhos são muito pessoais. Muitas pessoas sonham em comprar a casa própria ou abrir o próprio negócio, outros sonham com uma festa de formatura ou casamento e há aqueles que amam viajar. Pertencemos ao último grupo. Amamos viajar e acreditamos ser a maior riqueza que podemos adquirir.

Seja para comprar um imóvel, abrir um negócio, realizar uma festa ou embarcar em uma viagem, é preciso planejar, principalmente quando os recursos financeiros são escassos. Neste caso, será necessário tempo de pesquisa, definição de prioridades, negociação e muita força de vontade. A soma destes aspectos pode tornar o caminho menos árduo e a realização do sonho mais possível.

Vamos imaginar que os recursos, tempo, métodos e dinheiro são os pontos de um triângulo, e que ele sempre se manterá com a mesma área, de forma que quando um ponto é deslocado os demais também são, porém inevitavelmente os três aspectos não poderão ser aumentados ao mesmo tempo. Sendo assim, quando aumentamos o tempo, podemos despender menos recursos financeiros e os métodos podem ser mais flexíveis. Vendo de outro modo, se for necessário diminuirmos o tempo, precisaremos aportar mais recursos financeiros e ter em mente métodos mais eficientes.

Por exemplo, quando temos tempo para planejar uma viagem longa, conseguimos negociar hospedagem, passagens aéreas e passeios. E com esta antecedência, normalmente, tendemos a despender menos recursos financeiros, gerando economia, e provavelmente teremos aplicado um método mais eficiente para o resultado final. De outra forma, quando dispomos de pouco tempo para organizar uma viagem possivelmente pagaremos mais caro pela passagem aérea e a diária do hotel. Neste exemplo a variável tempo é diretamente proporcional à variável dinheiro, sendo influenciada pelo método. Quanto mais tempo dispomos, melhores serão os métodos utilizados e possivelmente menor será a quantia financeira empregada.

Atualmente tem se tornado corriqueiro culpar a falta de recursos financeiros pelo insucesso na busca dos desejos. Para melhor administração dos recursos financeiros, é preciso ter em mente que se deve sempre gastar menos do que se recebe. Esta tarefa não é fácil, mas é possível. E em uma visão mais positivista, vendo o copo meio cheio, o ideal seria conseguir receber mais do que se gasta.

É importante possuir ferramentas de controle das finanças, seja um simples caderninho com as anotações financeiras, ou uma planilha de cálculos, ou até mesmo algum aplicativo próprio para estes controles.

Independente da ferramenta utilizada, este controle pode ser dividido em três passos básicos:

Receita: São todos os valores recebidos. Vale anotar o salário do mês, a venda de uma roupa ou sapato em um brechó, de artesanato, de produtos de beleza vendidos por catálogo, a renda de uma aplicação bancária, o saldo da troca de um carro ou da venda de outro bem. Enfim, tudo que representar uma entrada de recursos financeiros

Despesas fixas: Todos os valores que ocorrem em períodos frequentes. Nas despesas fixas pode-se considerar aluguel de imóvel e de vaga de garagem, luz, água, condomínio, internet, canais de televisão por assinatura, aplicativos de filmes, séries e música por assinatura, prestação de carro, seguro, combustível, diarista, manicure, supermercado, escola, faculdade, curso de idiomas, plano de saúde, IPTU, IPVA e outras contas que fazem parte da rotina de pagamentos. Aqui não dá pra deixar de fora uma reserva para emergências e as aplicações financeiras.

Despesas variáveis: São valores pagos eventualmente. Este ponto é o mais difícil de prever, mas vale considerar restaurantes, farmácia, cabeleireiro, lavanderia, cinema, compra e reparos de roupas e calçados, manutenção de carro, compra de artigos para casa e até algum presente para alguém especial. O ideal é estipular um valor mensal, proporcional ao tamanho das receitas, para esses eventos.

Quando todos os valores de entradas e saídas forem colocados no papel ou em uma planilha, será possível analisar onde os recursos estão sendo alocados e onde será possível apertar os gastos, para que seja viável sobrarem recursos para a realização dos sonhos.

Muitas pessoas acham que nunca conseguirão juntar um valor para fazer uma viagem ou para comemorar sua formatura, mas também nunca pararam para analisar o quanto ganham e quanto gastam. Sem este olhar profundo qualquer passo ou decisão pode ser arriscado.

Através do acompanhamento e análise da rotina financeira será possível determinar metas, traçar objetivos, e dar o primeiro passo para conquistar o que se quer. É olhando quanto se gasta em aluguel, condomínio, IPTU e transporte que se cogita trocar estas despesas pela prestação de um apartamento mais próximo do trabalho.

Sabendo quanto se gasta em restaurantes e supermercado, pode-se mudar os hábitos de consumo, e, quando possível, fazer mais refeições em casa. Outra alternativa é programar uma sessão de cinema em casa, assistindo a algum filme do aplicativo de filmes e séries ou dos canais de televisão por assinatura.

Pequenas economias fazem uma grande diferença. Não dá para esquecer da história da galinha, que de grão em grão enche o papo. Quando voltamos de uma viagem, desfazemos as malas, curtimos as fotos e as lembranças, e logo já pensamos em fazer as malas mais uma vez. Uma vez por ano irmos para um lugar que nunca estivemos nos faz descobrir coisas novas, enriquece a alma pela troca de experiências com outras culturas.

Mas economizar não pode se tornar um sofrimento, uma luta impossível ou um fardo difícil de carregar. Deve ser feita com atenção e sempre com atitude positiva em prol de algo bom. Também é importante saber usar o crédito disponibilizado pelo banco, seja o cheque especial, o talão de cheques ou o cartão de crédito. E até mesmo o crédito de lojas de departamento e supermercados. Vivemos a realidade de juros altos e impiedosos. Qualquer atraso de pagamentos acarreta em juros, onde o pagamento parcial ou protelado pode se tornar uma dívida impagável.

O crédito, se bem utilizado, pode ser vantajoso, principalmente pelos programas de milhagem, oferecidos em vários cartões. Claro que com um rígido controle de gastos, pois o fato de utilizar o cartão crédito ao invés do dinheiro pode gerar a falsa sensação de que não se está gastando. Mas não se engane, o gasto é o mesmo, o que muda é a forma e o prazo para pagamento.

É sempre importante ponderar o que se compra e avaliar a real necessidade das aquisições deixando o impulso de lado.

As empresas costumam utilizar um ciclo de trabalho que envolve planejamento, realização, avaliação e correção, que pode perfeitamente ser aplicado na vida pessoal de cada um. Pois gerir os recursos tempo, métodos e dinheiro envolve estes passos.

Em qualquer esforço empregado na busca ou conquista de algo será preciso lidar com estes quatro fatores:

Planejamento. Ele vai proporcionar uma diretriz de como, onde e quando fazer. Ele será o norte, a linha guia de todo o caminho.

Realização. Toma como base o planejamento e tudo o que nele foi pensado. Neste passo é possível ver o que foi planejado saindo do papel e tomando forma.

Avaliação. Quando as devidas ações já foram tomadas é possível avaliá-las. A avaliação deve ser realista e levar em conta o que está dando certo e o que pode ser melhorado.

Correção. Aqui é o momento de redirecionar os esforços e concentrar as energias. Nesta etapa surge a oportunidade de se fazer um novo planejamento e de começar o ciclo mais uma vez, e por tantas vezes quanto forem necessárias.

Este ciclo amplamente utilizado por empresas se assemelha em muitos aspectos ao ciclo SPR (sonhar, planejar e realizar). E pode contribuir para a realização dos mais diversos sonhos e projetos.

A forma de acumular riqueza é muito pessoal, pois as necessidades e prioridades são individuais. Mas é muito importante ter consciência de como se aplica o dinheiro. Para isso o controle é a melhor forma de adquirir uma leitura correta de como e onde se está gastando, para que seja possível entender onde se pode ajustar os gastos e onde é necessário aplicar mais valores.

Nossa vida é cercada de incertezas, assim como o meio em que estamos inseridos. É importante gerar reserva para que seja possível administrar melhor essas incertezas, e navegar com maior tranquilidade em um possível mar revolto. Por outro lado, não podemos deixar de lado as coisas que nos fazem felizes, que nos ajudam a gerar uma boa qualidade de vida e a enfrentar o dia a dia com maior disposição.

Nossa grande tarefa é encontrar o ponto de equilíbrio entre poupar e ser feliz. Parecem caminhos opostos, mas são paralelos que podem se atrair em um determinado porto do percurso, dependendo da forma como será aplicado o resultado da economia.

A vida é um desafio constante, e este é apenas mais um dos leões diários, ou não, dependendo da leveza que se aplica nessa tarefa, o leão pode se tornar um gato manso.

É importante desmistificar a palavra poupar, se utilizando de ferramentas e da possibilidade de crédito consciente. Entendendo que é necessário um esforço para atingir as metas, sempre observando os métodos, que caso não estejam trazendo os melhores resultados, devem ser revistos com agilidade.

O segredo é não deixar de sonhar, e saber que sempre há uma maneira de alcançar o que se quer.

Melissa Kamimura é Administradora Especialista em Orçamento Empresarial

Edegar Kamimura é Eletrotécnico e Administrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *