Bem-estar na teoria e prática

A Psicologia Positiva surgiu em 1998 com o psicólogo americano Martin Seligman. Ele desenvolveu com seus pacientes um trabalho de conscientização e reforço de pontos positivos, gerando melhorias clínicas e de bem-estar na vida. Sua experiência o levou à conclusão de que nossa existência é sustentada por cinco pilares: o Modelo PERMA, que ficou conhecido também como Teoria do Bem-Estar. São eles:

P – Positive Emotions (Emoções Positivas): As emoções positivas estão entre os muitos componentes da felicidade e do bem-estar e é uma das camadas mais óbvias de felicidade. É diferente de prazer. Embora o prazer esteja relacionado à satisfação de necessidades corporais, como fome, sede ou um longo sono após um dia difícil, ele vem da estimulação intelectual e da criatividade.

E – Engagement (Engajamento): Todos tivemos a experiência de se tornar tão absorvidos no trabalho ou na leitura de um livro que perdemos completamente a noção do tempo ou esquecemos de um compromisso. Também vimos crianças se tornando tão envolvidas em algum jogo que não foi fácil chamar a atenção delas ou fazê-las parar. Alcançar esse estado de fluxo ou engajamento total é natural, especialmente quando as pessoas estão envolvidas em atividades que amam e são boas, como dançar, praticar esportes ou realizar atividades e hobbies criativos. Embora o engajamento em atividades prazerosas seja relativamente fácil para a maioria das crianças, ainda é importante oferecer oportunidades para que as crianças participem de atividades que lhes ofereçam experiências de envolvimento ou fluxo.

R – Relationships (Relacionamentos): A quantidade e a qualidade das relações positivas que estabelecemos com os outros é a chave para gerar bem-estar. Felicidade e saúde psicológica estão intrinsicamente ligadas a relacionamentos íntimos, significativos e íntimos. Segundo pesquisas, uma função importante das redes sociais é que elas podem espalhar felicidade, alegria e riso como fogo selvagem. Incentive as crianças a formar amizades e mostrar vontade de ser um amigo em quem se possa confiar e confiar.

M – Meaning (Sentido): A verdadeira felicidade, segundo o psicólogo Rollo May, vem da criação e da significação da vida, e não da busca do prazer e da riqueza material. Amar alguém e ser amado é um fenômeno significativo, porque tais atos inspiram as pessoas a viver e cuidar de alguém que não seja o eu. Viver uma vida significativa é, em essência, relacionado a se ligar a algo maior do que a si mesmo. Incentiva a sensação de que existe um propósito maior para a vida, e uma parte disso confere significado. Ter tais conexões com algo maior também é uma barreira eficaz contra a depressão. Pesquisas mostram, por exemplo, que pessoas religiosas ou espirituais geralmente têm vidas mais significativas porque acreditam e adoram algo maior do que elas mesmas.

A – Accomplishment (Realização): Ter objetivos explícitos na vida, mesmo pequenos, como ler por uma hora todos os dias, e fazer esforços para alcançá-los, são importantes para o bem-estar e a felicidade. A conquista ajuda a construir a auto-estima e proporciona uma sensação de realização. Também fortalece a autoconfiança. Os pais que ativamente estabelecem e tentam atingir objetivos, como o exercício diário, por exemplo, tendem a ter filhos que desenvolvem atitudes semelhantes. O mero esforço que se coloca para alcançar um objetivo específico em si abriga a satisfação.

Mesmo sabendo que a felicidade não seja eterna, temos que aproveitar cada momento que temos dela, pois são estes momentos que fazem a vida valer a pena.

Leonardo Duncan é Coach Positivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *