Autossabotagem nos relacionamentos

Nada dá certo na minha vida amorosa, será o que tenho de errado? Será que eu nunca vou ser feliz? Eu não consigo encontrar alguém! Eu sei que ele me faz mal, mas continuo com meu marido. Eu só acho defeito neles… Nossa! É muito bom para mim, tem algo errado!

Vamos falar sobre sabotagem, ou melhor, autossabotagem, no relacionamento!

Autossabotagem é um mecanismo de defesa pelo qual, de alguma forma, você está impedindo, de forma inconsciente, o progresso, a felicidade, ou algo que deseja muito.

Por que as pessoas não conseguem se realizar no relacionamento amoroso? Ou permanecem num relacionamento destrutivo…?

São muito comum as falas e queixas em consultório, por exemplo:

Eu quero um namorado, um relacionamento, mas tenho medo de não conseguir continuar a dar atenção a minha filha;

Eu tenho medo de não continuar sendo competente ao meu trabalho;

Eu tenho que viajar e não conseguirei dar atenção ao meu namorado.

Você conhece pessoas que sempre estão justificando por meio de medos, inseguranças e experiências passadas.

Mas por que isso acontece? Por que, mesmo antes de iniciar um encontro, já fazemos expectativas ruins ou irreais?

Porque o inconsciente acaba agindo como uma mãe que não quer que nada aconteça de mal em sua vida. Acaba sabotando para não correr riscos.

Nesta situação, acabamos agindo, sem perceber, como pessoas que nos cuidaram, optaram em apresentar o medo como cuidado.

Outra situação muito recorrente é aquela que em algum momento em sua vida aconteceram experiências que traumatizaram, ou até crenças, informações introjetadas no inconsciente, que recorre a estas informações e lembranças e vive aquela situação passada como se fosse atual.

O sujeito não consegue fazer, não consegue libertar-se da pessoa. A impressão que nos causa e escutamos é: “Para não sofrer não seja feliz, é arriscado!”

Pesquisas apontam que temos a Mente Consciente e a mente inconsciente. A mente consciente é racional e 5% do que somos. A mente inconsciente é 95%, sendo mais poderosa. A forma de processar é diferente, não é lógica. Todos nós, em algum nível, em algum momento, nos sabotamos, pelo fato de ter razões inconscientes que não permitem avançar. Criou-se um bloqueio. Inconscientemente, não existe uma permissão para que a razão, o consciente, se liberte e execute.

Michele Pacheco Foggiatto Puel é Psicóloga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *