Tecnologia x Criatividade

[fb_button]

Vivemos numa sociedade pós-industrial, também conhecida como a era da informação e do conhecimento.
Na sociedade industrial o homem era tido como uma máquina, e desempenhava árduo trabalho físico e repetitivo; na atualidade o trabalho físico é realizado por máquinas e o mental por computadores, o que aumenta a produção e reduz as horas de trabalho. Em contrapartida, apesar dos avanços tecnológicos, temos a impressão de que nunca temos tempo para nada. Como explicar isso? O que tem nos faltado: tempo ou melhor administração do tempo que temos disponível? Conseguimos evoluir para uma sociedade pós-industrial ou ainda estamos nos permitindo viver como máquinas? Não estaríamos vivendo uma vida manipulada pelas mídias televisivas e redes sociais ao ponto de apenas reproduzirmos comportamentos e perdermos cada vez mais o nosso senso crítico acerca do que fazemos com o nosso tempo?
O sociólogo italiano Domenico de Masi faz-nos refletir, quando diz que estamos tão habituados a realizar funções repetitivas, como se fôssemos máquinas, que é necessário um grande esforço para aprendermos uma atividade criativa, digna de um ser humano.
Com a falta de administração do tempo acabamos investindo o tempo que temos em coisas inúteis. Precisamos aprender a ganhar tempo e investir em algo realmente útil e prazeroso, entendendo assim que somos seres criativos e não meros reprodutores.
Tudo o que temos hoje, seja conhecimento ou inovações tecnológicas, foi produzido por indivíduos que investiram tempo em criar e não apenas na mera reprodução. Se não for possível criar, reinvente, mas faça algo novo ou diferente. Aprenda a sentir prazer no trabalho criativo e a viver cada minuto da melhor forma possível.
Com o tempo que temos, precisamos aprender a unir trabalho, estudo e lazer, de modo que possamos experimentar a riqueza gerada pelo trabalho, o conhecimento oriundo do estudo e a alegria proporcionada pelo lazer. (Di Masi)

Regiane Hatchwell, psicóloga

 

Online, imaginária, percebida, suposta… De quantas realidades se faz o Eu? Lei mais aqui.

 

One thought

  1. Doutora , em 2003 , fui a serviço por uma indústria metalúrgica em Recife e nessa época li um livro chamado “ÓCIO CRIATIVO” ele fala muito a respeito disso, desde lá sempre tive o desejo de estudar , esta é minha primeira graduação, me sentir motivado a estuda.antes vestindo vestes da ignorância hoje vestes da felicidade e conhecimento.Otimo para palestra s motivacionais em indústrias ou em qualquer outro Ambiente que o homem trabalhe, o homem é fruto de seus pensamentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *