O exemplo é tão ou mais importante que a orientação

[fb_button]

“Podemos aprender um novo comportamento de diversas maneiras. Quando alguém nos orienta a fazer algo por meio de uma instrução verbal está nos indicando uma regra, descrevendo como agir para atingirmos determinado objetivo. Além dessa forma, também aprendemos por modelação, ou seja, imitando o comportamento de outra pessoa. Nesse sentido, é bastante importante que aquele que está ensinando algo fique atento à própria postura, tendo em vista que a sua ação também servirá de base para o comportamento daquele que está em processo de aprendizagem. Não basta apontar o que é certo ou errado, o que fazer e o que não fazer; é ainda mais valioso demonstrar ações coerentes a essas afirmações e oferecer condições que realmente propiciem oportunidades para a emissão das atitudes esperadas.

Para que os pais estimulem uma alimentação saudável aos seus filhos, por exemplo, é importante que não apenam digam qual a dieta adequada, mas também sigam esse mesmo tipo de cardápio e ofereçam opções de alimentos nas refeições que estejam de acordo com o que pretendem incentivar. Um estilo de vida em que os pais ou responsáveis compram e comem principalmente alimentos industrializados, com alto teor de gordura, fazem as refeições em horários variados, não se reúnem durante as refeições e não acompanham a alimentação dos filhos dificilmente favorecerá o aprendizado de comportamentos alimentares saudáveis. Não se trata de ser perfeito, é natural que se cometa erros, mas é igualmente relevante que se atente aos mesmos, uma vez que o exemplo é tão ou mais importante do que a orientação. Vivemos em uma sociedade que valoriza o trabalho, o corpo ideal e um ritmo de vida bastante acelerado. Tal contexto tem adoecido física e emocionalmente. Diante disso, vale a reflexão: “Que exemplo estamos oferecendo para as próximas gerações?” e o compromisso de começar a mudança por nós, disponibilizando o exemplo de uma vida que respeite o tempo e a singularidade de cada ser e de cada momento.”

Roberta Seles da Costa, psicóloga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *