Viver é um risco constante

[fb_button]

Quando penso em “ponto de virada”, logo imagino situações que “desestabilizam” emocionalmente a vida do sujeito como um todo, seja algo planejado (uma viagem para outro país com outra cultura) ou não (um acidente com sequelas, términos amorosos, morte de um ente querido, ficar desempregado, assalto, sequestro, surto psicológico e tragédias naturais). Vou debruçar-me de forma generalizada sobre as questões não planejadas, repentinas.

Cada sujeito, de alguma forma ou de outra, e em níveis de intensidades diferentes, irá lidar com alguma situação de desestabilização emocional no decorrer da sua vida, seja por alguma “situação surpresa” que venha do meio externo, interno ou ambos. Alguns irão processar a situação de forma positiva (menos caótica) e outros nem tanto. As pessoas que superam certos traumas sofridos e logo retomam as suas vidas sem grandes prejuízos emocionais possuem maior poder de resiliência. A resiliência é a capacidade que o sujeito tem de superar eventos estressantes, em enfrentar qualquer adversidade que gere algum tipo de mal-estar físico e psicológico, sem ser consumido pela dor e sofrimento que a situação traumática traz consigo. O sujeito resiliente “sacode a poeira e dá volta por cima”, independente do trauma e suas consequências. Por outro lado, as pessoas menos resilientes precisam de maiores cuidados multiprofissionais, principalmente em saúde mental, o que geralmente inclui o apoio dos familiares e amigos queridos.

Por fim, os “pontos de viradas” podem ser diversos e ter consequência múltiplas. De repente, num “piscar de olhos”, tudo pode virar de “cabeça para baixo”. O ser humano não pode desconsiderar a possibilidade da eventualidade, do inesperado, pois ainda não há como prever o futuro e suas consequências. A vida não é um caminho linear e sim um caminho tortuoso repleto de surpresas. Talvez ter consciência de que viver é um risco constante, quem sabe pode preparar a mente, de alguma maneira, a lidar com situações imprevistas.

Eduardo L C Moreira, psicólogo

Pontos de virada: Quando a única alternativa é seguir em frente. Leia mais

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *